A ligação entre mídias sociais e saúde mental.

Atualizado: Ago 19



Nos tempos atuais o processo de socialização tem modelo de se realizar por meio de veículos de mídia sociais, e que a todo momento o processo de comparar-se de forma negativa ou positiva com outros usurários é uma das características desse processo.


Em um processo de comparação, sua percepção se distorce de 2 formas: a negativa em que diminui seu próprio valor, ou a positiva quando se sente valorizado. Ambos acontecem de forma inconsciente e tem um controle muito poderoso em nossas decisões e influencia nossa visão de mundo.


Em pessoas que vivem intensamente o uso de mídias sociais e fazem o uso constante da comparação negativa se relaciona vive uma realidade distorcida, se afastando da vida real e de relacionamentos sociais.

A comparação de forma negativa com os outros usuários nas mídias sociais causa um impacto na saúde mental com efeitos associados à baixa auto-estima e maior vergonha do corpo, estudos recentes da revista americana Ciberpsicologia comportamento e redes sociais, constatou que aqueles que deixam de usar o Facebook sente-se motivado a realizar novas vivencias e emoções positivas.


Pesquisadores descobriram que os usuários frequentes do Facebook que se comparam com os outros indivíduos, estão inclinados ao excesso de pensamentos negativos , o que pode manifestar sintomas de depressão.


O estudo também descobriu que sentir inveja, seguir indivíduos que trazem emoções negativas (como um ex), fazer comparações sociais negativas e postar atualizações de status negativo também são indicadores de depressão.


Reduzir comparações nas mídias sociais para ter um relacionamento existencial saudável exige um esforço da pessoa que identifica estar em sofrimento. Reconheça estímulos de comparação que potencializam a tristeza.


Vamos pontuar algumas dicas importantes para pessoas que se identificaram com as colocações citadas nesse artigo


1. Identifique se está fazendo comparações

Sua mente está condicionada à fazer comparações ao entrar em redes sociais e a sutileza que ela te leva a contas, paginas,pessoas e lugares que produzem inveja.


2. Faça uma lista

O ideal é listar todo conteúdo que te provoca angústia e inveja, traçando estratégias para


3. Reduza seu tempo nas redes sociais

Diminuir o tempo programa aplicativos para te alertaram pode ser eficaz,

Gerenciar sua entrada de mídia social não é fácil. Estamos acostumados a percorrer esses aplicativos e passar longos períodos tempo coletando informações, mas também por hábito quando nos sentimos nervosos ou ansiosos. Para ter certeza de que você está usando seu tempo de mídia social de maneira construtiva, dedique a uma quantidade de tempo designada (não mais de 20 minutos por dia) para verificar suas contas de mídia social. Alguns aplicativos, como o Instagram, registram isso para você.


4. Tente descobrir por que você está fazendo comparações

Muitas vezes, as comparações são baseadas em coisas sobre as quais somos autoconscientes. Analisando o que você está deixando sua mente gravitar, você pode anotar as coisas que você pode mudar de uma forma positiva.


Por exemplo, é comum comparar seu físico com o de outro. Isso pode se transformar rapidamente em um hábito pouco saudável, mas, se for algo que está em sua mente, considere elaborar um plano saudável com um profissional para se alimentar melhor e se exercitar mais. Em vez de admirar o compromisso de outra pessoa com o bem-estar, concentre-se no seu corpo andando 30 minutos por dia, algumas vezes por semana.


4. Concentre-se em silêncio em vez de ruído

Meditar ou ficar em silêncio quando você percebe que sua sessão de mídia social não está sendo benéfica para sua vida pode ajudar a colocá-lo de volta no caminho certo. Se você se sentar com seus pensamentos e deixá-los ir e vir naturalmente, você se sentirá mais fundamentado para não deixar sua mente criar histórias de ficção mais destrutivas e prováveis.


Em vez disso, compare-se a si mesmo ...

Lembre-se, a única pessoa com quem é justo se comparar é você. Tire um tempo para se perguntar: Eu sou a melhor versão de min mesmo.


Lembre-se de que a inveja não é uma emoção útil e medir sua vida em comparação com as pessoas ao seu redor não é uma prática positiva. Faça uma resolução para se concentrar em si mesmo e no que você tem, em vez do que você não tem. Isso fará com que você fique mais satisfeito e menos tentado a compará-lo.


Psicólogo responsável:

William Lino Felis Crp: 06/140742


https://www.realitypsicologia.com.br/psicologos-orientacoes

41 visualizações